Centro Mundial de Estudios Humanistas

Desarrollar el conocimiento por encima de todo prejuicio.

Hacia el descubrimiento de lo Humano - del mundo de lo establecido a la libertad

30 de octubre al 2 de noviembre 2014 - Santiago (Chile) / Attigliano (Italia)

Rumo ao descobrimento do Humano Do mundo do estabelecido à liberdade
Versión para impresoraSend by email

IV Simpósio Internacional do Centro Mundial de Estudos Humanistas

Nesta época de grande mudança, estão em crise os indivíduos, as instituições e a sociedade. Vivemos tempos de urgência e de possibilidade.

O estabelecido já não proporciona respostas adequadas, porém aquilo que virá ainda não é avistado em toda a sua plenitude.

Aceleradas transformações varrem a paisagem social em que se formaram gerações anteriores, criando abismos de incompreensão e insegurança. O mundo velho já se foi, sem que todavia o mundo novo tenha chegado.

O futuro se apresenta incerto, porém vai ganhando cada vez maior espaço a certeza de que é necessário para a sobrevivência e evolução da espécie humana, realizar mudanças intencionais e profundas. Sobretudo, vai ficando claro que não haverá progresso, se não for de todos e para todos.

Se trata então de operar uma transformação estrutural, revolucionária, do modo como os seres humanos se relacionam entre si e com o seu entorno.

Para operar essa mudança, é imprescindível descobrir o que está à base do mundo moribundo, aquele que realmente está em crise: um tipo de olhar sobre o Ser Humano.

O Ser Humano não é uma coisa a mais, um ente dado, estéril e imóvel. Se reduzimos o humano ao natural, ao puramente biológico, se o submetemos à lógica do já estabelecido, acabado e definitivo, eliminaremos o fundamento de toda criatividade e de toda liberdade.

Se no momento atual, o Ser Humano representa para o capital apenas um consumidor; para os meios massivos, uma consciência ingênua; se para certa política mentirosa, é somente número e, para os bandos religiosos, um eterno culpável; se, em definitivo, as legítimas aspirações humanas são asfixiadas, reprimidas ou manipuladas nas distintas latitudes, quem pode estranhar então que, dos mais profundo de sua humanidade, se manifeste hoje nas ruas e praças uma justificada rebelião?

Uma rebelião que, junto a um novo projeto comum, necessita descobrir e cultivar um novo olhar sobre nós mesmos.

Um olhar que parta da própria existência humana e de sua necessidade de superar a dor e o sofrimento.

Um olhar que dê conta da intencionalidade do Ser Humano, de sua capacidade de dar direção à própria vida e à dos conjuntos, que proclame sua possibilidade de eleger, sua liberdade, sua tendência à indeterminação.
Um olhar que não defina o Humano a partir de fatores externos a ele, mas que compreenda ao mesmo tempo sua conexão estrutural com o meio em que se desenvolve. Ou seja, um olhar que supere a falsa dualidade de uma objetivação imoral das pessoas ou de uma subjetivação ingênua do mundo.

Um olhar que afirme a dinâmica social e histórica do humano, como construção permanente de sua própria natureza e sua correspondente transformação.

Um olhar que compreenda que a violência é, em sua raiz e em todas as suas manifestações, a negação do humano nos demais e em si mesmo, exortando uma atitude de não-violência ativa como ponto de partida para o ser humano do futuro.

Um olhar que conecte as potencialidades humanas com o transcendente, desafiando o absurdo, que contrapõe a matéria ao espírito, o denso ao sutil, o terreno ao eterno.

Nos referimos em definitivo a um olhar que coloque o Humano como valor e preocupação central em uma renovada escala de valores, alertando sobre o fato de que, procedendo de outro modo, se acabará justificando a submissão e rotulando como sem-sentido toda ação coerente.

Por isso, enfatizando a possibilidade deste novo olhar, avançando em direção à premente transformação que os grandes conjuntos hoje reclamam, assinalando a impossibilidade de passar a outra etapa da Humanidade sem que esta descubra seu ilimitado potencial e a liberdade de seu destino, o Centro Mundial de Estudos Humanistas convida para o seu IV Simpósio Internacional: "Rumo ao descobrimento do Humano - do mundo do estabelecido à liberdade"

Convidamos a participar ativamente desta coletiva e imprescindível reflexão sobre o olhar que temos sobre nós mesmos, sobre os demais, sobre o fenômeno humano em geral.

Convidamos a observar as revolucionárias implicações que esse descobrimento do humano pode ter nos diferentes campos da ação humana.

Convidamos a despertar a fé na possibilidade de levar adiante uma uma transformação simultânea do mundo e de nós mesmos, colocando como eixo um novo olhar sobre o fenômeno humano.

Aspiramos a que este seja um Simpósio de encontro, de intercâmbio e de experiência sobre uma humanidade que recém começa a descobrir a si mesma e os novos caminhos para a sua liberação.